Feliz aniversário de 35 anos


Desprezado pelos críticos de cinema e execrado nos guias de vídeo, o slasher Feliz Aniversário para Mim (Happy Birthday to Me, 1981) acabou se transformando em cult movie. E só por isso é possível olhá-lo, hoje, com mais complacência e bom humor, em vez de encará-lo de forma 'séria', o que nos forçaria a reconhecer uma série de incongruências e reviravoltas inverossímeis. O banho de sangue é priorizado em detrimento da coerência e da credibilidade. E talvez aí resida o status de 'cult' que o filme ganhou ao longo dos anos — e a diversão de assisti-lo despreocupadamente.

A jovem Virginia (Melissa Sue Anderson) sobrevive a um trágico acidente de carro, em que sua mãe morre. Após o trauma, passa a ter 'apagões' de memória com certa frequência. Virginia estuda no Crawford Academy, um colégio caro e cheio de estudantes esnobes da elite canadense. O estranho é que durante essas lacunas de inconsciência de Virginia, outros estudantes do colégio são assassinados das formais mais brutais e bizarras. Até aí, nada diferente das centenas de slasher movies lançados na década de 1980. (Caso alguém ainda não saiba, o slasher é um subgênero dos filmes de terror, que envolve assassinos psicopatas e mortes em série; também conhecido como sangue-e-tripas). No meio disso tudo, Virginia está prestes a completar 18 anos. Mas com seus amigos sendo mortos um a um, será que vai sobrar alguém para a festa? A trama começa a se adensar e a ficar meio confusa com a profusão de surpresas e pistas falsas, que aumentam do meio para o final. 

Virginia (Melissa Sue Anderson)

Filmado em Montreal, no Canadá, em julho de 1980, o filme foi lançado nos cinemas em maio de 1981. A imprensa anunciou que, para manter em segredo o "twist" (virada) do final, vários desfechos diferentes foram filmados. Depois da estreia, confirmou-se que a notícia era falsa, mas ajudou a camuflar o fato de que, durante as filmagens, o longa ainda não tinha final. O roteiro foi escrito com um final que fazia sentido na história, mas não apresentava nenhuma virada. Os produtores, então, deram início às filmagens e, enquanto isso, improvisaram um twist. 

Virginia entre seus colegas de escola
Para um filme do gênero, naquela época, Feliz Aniversário Para Mim teve um orçamento alto (quase 2 milhões e meio dólares). Por um determinado período, foi o filme canadense de maior bilheteria, sendo superado por Porky's - A Casa do Amor e do Riso (1981), que estreou em 1982. Feliz Aniversário Para Mim foi o segundo slasher lançado pelos produtores André Link e John Dunning em 1981. O outro foi Dia dos Namorados Macabro (My Bloody Valentine), que havia estreado poucos meses antes.

O grande nome no elenco de Feliz Aniversário Para Mim é, sem dúvida, o de Glenn Ford. Aqui ele é o Dr. David Faraday, psiquiatra de Virginia. Um dos atores da "Era de Ouro" de Hollywood, Ford ficou famoso por filmes como Gilda (1946), Uma Vida Roubada (A Stolen Life, 1946), Os Corruptos (The Big Heat, 1953), Cimarron - Jornada da Vida (Cimarron, 1960) e muitos outros entre as décadas de 1940 e 1960. Sua presença nesse slasher é um tanto quanto desperdiçada, dada a importância de Ford no cinema. O crítico americano Leonard Maltin, em seu guia de vídeo, ironizou, dizendo que "Ford devia estar desesperado por trabalho" ao aceitar participar do filme, e que "tinha chegado ao fundo do poço".

Dr. Faraday (Glenn Ford)

O produtor John Dunning, em entrevista concedida ao site The Terror Trap, contou que Glenn Ford envolveu-se em uma briga com Charles Braive, assistente de direção de Feliz Aniversário Para Mim, durante as filmagens. Segundo Braive, Ford "bateu em nosso assistente de direção, que tinha anunciado horário de intervalo bem no meio de uma das cenas de Glenn". Dunning impediu que a polícia prendesse o ator. "Foi uma confusão", explicou o produtor. "Glenn recusou-se a sair do camarim enquanto o assistente de direção não se desculpasse. O assistente, por sua vez, disse que jamais pediria desculpas a Glenn. Mas expliquei a ele que aquilo poderia enterrar de vez sua carreira de assistente de direção. Então ele acabou se desculpando... E Glenn também pediu desculpas.” 

Segundo relatos da época, Glenn Ford estava bebendo demais durante a produção do filme, o que pode ter sido uma das causas de seu destempero.

O curioso é que o diretor J. Lee Thompson (1914 – 2002) também estava em uma fase de decadência em sua prolífica carreira. Thompson havia sido alçado à fama internacional com Os Canhões de Navarone (The Guns of Navarone, 1961), com sete indicações ao Oscar (incluindo Melhor Diretor). Dirigiu também O Círculo do Medo (Cape Fear, 1962), refilmado por Martin Scorsese em 1991; A Conquista do Planeta dos Macacos (Conquest of the Planet of the Apes, 1972) e A Batalha do Planeta dos Macacos (Battle for the Planet of the Apes, 1973), entre dezenas de outros. A partir do final da década de 1970, passou a dirigir filmes considerados 'menores'. Tanto que se tornaria um dos cineastas oficiais da Cannon Films (produtora de filmes de baixo e médio orçamento), além de dirigir longas estrelados por Charles Bronson também já velho. 

Voltando ao "parabéns pra você", até críticos de filmes de terror foram pouco generosos com Feliz Aniversário Para Mim, como atestado na Aurum Film Encyclopedia of Horror, que o descreveu como "mais uma medíocre adição ao ciclo de filmes de terror adolescentes."


O filme estreou nos cinemas brasileiros em setembro de 1981, na mesma época em que aqui também estavam em cartaz Pague Para Entrar, Reze Para Sair (The Funhouse, 1981), Vestida para Matar (Dressed to Kill, 1980) e O Homem Elefante (The Elephant Man, 1980).

Em 1988 a fita chegou à videolocadoras do Brasil. A capa era uma das que mais chamava a atenção na seção de terror, com um rapaz prestes a ser empalado com um espeto de churrasco.


Foi exibido na tevê brasileira diversas vezes, pela Globo e pela Bandeirantes, entre o começo e o final dos anos 1990, até sumir da nossa grade de programação. As sinopses que saíam nas seções de "filmes para a TV" dos jornais não eram muito animadoras, como dá pra perceber nesses dois exemplos da Folha de S. Paulo:


Os fãs não gostaram do lançamento em DVD feito pela Sony Pictures Home Entertainment, em 2004. A capa foi totalmente modificada e decepcionou os admiradores do filme. Para piorar, na abertura, em vez de manterem a sombria trilha instrumental original, a Sony a substituiu por uma canção disco nada a ver. Felizmente, em 2009, a Anchor Bay/Starz Home Entertainment relançou o DVD usando a arte do poster (a foto do rapaz e o espeto de churrasco) e restaurou a trilha original da abertura.

A edição em DVD com a capa alterada (à esquerda) e a arte original recuperada (à direita)

É por isso que as músicas do filme variam de cópia para cópia. A velha história: pra que mexer em algo que já está consagrado e tem personalidade própria? A versão cantada do tema do filme — que aparece nos créditos finais — tem o mesmo nome, Happy Birthday To Me. Foi composta por Bo Harwood e Lance Rubin e gravada pela cantora Syreeta (que fez sucesso no final dos anos 70 com o dueto With You I’m Born Again, cantado com Billy Preston).


Agora em maio o filme completou 35 anos e continua com fãs fiéis. Fica a dica para os novos admiradores do gênero: convide-se para essa festinha e se surpreenda com o mirabolante desfecho de Feliz Aniversário Para Mim. (Obs.: Cuidado ao ler sobre o filme na internet, pois vários sites são cheios de spoilers.)