Pedro Ivo, neto de Gracinda Freire, fala sobre a Alzira de Dancin' Days


Todas as noites, no canal Viva, acompanhamos o drama da ex-presidiária Julia Matos em Dancin' Days. Mas uma personagem, discreta no começo, vai ganhando mais espaço ao longo da novela: Alzira, vivida por Gracinda Freire. Irmã de Jofre (Milton Moraes), Alzira é uma viúva de meia idade. Divertida, alegre, esperta e muito alto astral. Ainda um pouco contida nessa fase inicial da novela, Alzira vai roubar as cenas com suas tiradas bem-humoradas e seu sorriso contagiante. A personagem, que deveria ser secundária, acabou fazendo enorme sucesso com o público, cresceu e ganhou destaque. Sempre com seu cigarrinho, Alzira é a típica vizinha simpática, meio conselheira, meio mãe, amiga pra todas as horas. É ela quem traz de volta aos olhos do público a grande atriz Grancinda Freire, que emprestou seu próprio carisma à personagem.

Com Sônia Braga em Dancin' Days

Gracinda nasceu em Natal (RN), em 31 de julho de 1925. Iniciou sua carreira no teatro, em 1951, no espetáculo A Prima Dona, de José Maria Monteiro. A partir de então, sempre marcou presença nos palcos brasileiros. Participou de montagens importantes como Deus Lhe Pague, de Joracy Camargo, e do musical viva o Cordão Encarnado, de Luiz Marinho.

No cinema, sua estreia foi em 1962, nos filmes Assalto ao Trem Pagador, de Roberto Farias, e Três Cabras de Lampião, de Aurélio Teixeira, com quem foi casada. No ano seguinte, participou de Gimba, Presidente dos Valentes, longa baseado na peça de  Gianfrancesco Guarnieri. Continuou fazendo filmes, mas a partir de 1969 passou a dividir as telas do cinema com a televisão também.

Em Gimba (1963)
Em Gimba, bem antes de Dancin' Days, já contracenando com seu "irmão" Milton Moraes
Naquele ano, atuou em duas novelas seguidas na Rede Globo: Rosa Rebelde e Véu de Noiva, ambas de Janete Clair. Ao longo da década de 1970, fez vários filmes e novelas. Mas sua personagem de maior sucesso na TV foi, sem dúvida, a Alzira de Dancin' Days, papel pelo qual foi indicada para o Troféu APCA (Associação Paulista de Críticos dos Arte) de Melhor Atriz de Televisão.

Com Regina Duarte em Véu de Noiva (1969)
Em 1979, recebeu o Troféu APCA, na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante por Chuvas de Verão (1978), de Cacá Diegues, considerado um dos melhores filmes do cinema nacional. Curiosamente, foi lançado na época de Dancin' Days.

Em Chuvas de Verão (1978)
Nos anos 80, Gracinda decidiu mudar os rumos de sua vida e deixar a carreira de atriz para trás. Sua última novela foi Sétimo Sentido (1982), de Janete Clair. O último filme foi Estranhas Relações (1983), de Milton Alencar. Faleceu em 1995, aos 69 anos, em consequência de um derrame cerebral.

Quem relembra o sucesso da personagem Alzira é o neto da atriz, Pedro Ivo Rivera, em entrevista para o blog. Nascido em 1978 - ano de estreia de Dancin' Days - Pedro fala com imenso carinho e saudade da avó Gracinda, com quem viveu durante 10 anos: "Está sendo ótimo esse meu reencontro com ela ao rever Dancin' Days, sem dúvida uma marco na carreira dela."

Com Jacqueline Laurence em Dancin' Days
DANIEL COURI: Como era sua relação com Gracinda Freire?
PEDRO IVO: Minha relação com ela sempre foi excelente. Éramos muito próximos. Morei com ela por quase 10 anos, mas na época ela já havia deixado a carreira de lado. Decidiu isso ao se tornar evangélica, pois considerava um conflito viver personagens e não ela mesma.

DC: Ela nunca pensou em voltar a fazer novelas?
PI: Quando o contrato dela com a Globo terminou, foi procurada insistentemente pelo Daniel Filho, para que fosse renovado, mas declinou. A partir desse momento, passou a produzir apenas peças de tema religioso e deu o testemunho dela em igrejas até o fim da vida.

DC: Sendo criança, na época, como você enxergava o trabalho da sua avó?
PI: Tive pouco contato com o trabalho dela naquela época. Ela parou quando eu era bem pequeno. No entanto, me lembro de algo bem marcante, algo histórico mesmo para uma criança. Conheci os Trapalhões no auge, uns anos depois que ela participou do filme Os Vagabundos Trapalhões [1982, de J.B. Tanko].

DC: Como se sentiu ao assistir Dancin' Days pela primeira vez, já adulto, em DVD?
PI: Sempre soube do sucesso da novela e lamentei por anos a falta de uma reprise para poder ver esse momento tão marcante da carreira dela. O sucesso de minha avó na novela foi reconhecido tanto aqui no Brasil quanto fora. Lembro da época em que morei com ela, já um pouco mais velho, e vi os prêmios que ela ganhou aqui e em Portugal também. A estante de troféus merecia um destaque na sala e eu sempre tive muito orgulho de cada prêmio dela. O lançamento da novela em DVD reavivou essas lembranças e me deu a chance de finalmente ver esse trabalho excelente feito por ela. Agora essa reprise no Viva me dá alegria em dobro, considerando que é a novela na íntegra.

DC: Gracinda era, na intimidade, tão brincalhona, espontânea e alegre como a Alzira?
PI: Ela era exatamente daquele jeito, acho até que pra mais quando estava em família. Mesmo tom de voz, mesma alegria e presença de espírito.

Em dois momentos de Dancin' Days (à direita, com Ary Fontoura)
DC: Qual outro trabalho de sua avó, seja em cinema, teatro ou TV, você destacaria?
PI: Ela fez Mineirinho Vivo ou Morto no cinema [1967, de Aurélio Teixeira], um filme marcante na época. Participou também de O Assalto ao Trem Pagador, entre outros. Na TV, ainda aguardo ansiosamente a reprise de Feijão Maravilha [1979], por exemplo. Participou de Bandeira 2 [1971] também. São muitos trabalhos marcantes. É até difícil citar só alguns.

DC: Como se sente vendo toda uma nova geração, hoje em dia, descobrindo e reverenciando o trabalho de sua avó?
PI: É especialmente emocionante ver essa nova geração descobrindo minha avó. Acho que a personagem Alzira é quem melhor a representa. Por isso me emociono tanto. As pessoas estão vendo uma personagem na TV, mas tenham certeza que é como se fosse, nos termos de hoje, um "reality show" da Gracinda Freire. Ela era aquilo mesmo, pra melhor até.

DC: Qual a lembrança mais tocante que você tem da sua avó?
PI: Toca meu coração lembrar da alegria dela. Dos bons momentos que passamos juntos e tudo que ela me
ensinou. Noites e noites de muita conversa, que terminavam sempre em muitas risadas. Ela soube viver. Foi feliz, fez o que quis e deixou seu legado, que felizmente pode ser conhecido por todos através de cada trabalho dela.

DC: Que mensagem você deixa para os leitores do blog que acompanham com entusiasmo a reprise de Dancin' Days e curtem a Alzira?
PI: Espero que todos se divirtam muito, porque eu, como neto, estou me divertindo demais revendo minha avó mostrando o jeitão dela, no nível mais próximo possível do que ela era. Minha avó foi muito presente em minha vida e sinto uma saudade imensa. Agradeço a Deus pelo prêmio de poder chamá-la de vó Gracinda. Fica o orgulho eterno!

8 comentários:

  1. Fiquei feliz por saber mais dela e pelo fato de que sua carreira foi interrompida por desejo da própria e não por falta de oportunidades, o que seria um desperdício.

    ResponderExcluir
  2. Gracinda era ótima! E relembrar Alzira tem sido uma delícia. Abço ao neto dela e curta os comentários diários no twitter sobre a novela, em #DancinDaysnoVIVA.

    ResponderExcluir
  3. Eu a adoro, eu já tinha visto a novela e me dar uma tremenda vontade de entrar na tv e abraçar duas pessoas que passam um alto astral enorme, a sua avó e o Lauro Corona. È muito gratificante saber que você valoriza o trabalho de sua avó, raro hoje em dia, parabéns e um forte abraço

    ResponderExcluir
  4. Sou de Natal no Rio Grande do Norte e fiquei surpreso em saber que essa excelente atriz nasceu aqui em minha cidade. Gostaria muito de saber sobre maiores detalhes sobre a vida dela. Em que bairro ela morou e se acaso ela teria começado sua carreira aqui?

    ResponderExcluir
  5. Detalhes pessoais, como bairro onde morou, eu não possuo. Mas acredito que ela tenha iniciado a carreira em Natal sim, embora os trabalhos significativos tenham sido feitos no Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  6. Eu nao a conhecia. Quando dancin days foi exibido, eu tinha 13 anos e nem via TV, mas brincava nas ruas com os amigos, mas lembrava de Gloria Pires, Lauro Corona e Sônia Braga. Fiquei fascinado com ela no reprise do canal viva. Ela é alto astral. Maravilhosa. Queria que estivesse viva...03/08/2014

    ResponderExcluir
  7. Gracinda Freire também esteve atuante nos primórdios do SBT como jurada do Você Faz o Show, apresentado por Lolita Rodrigues,
    Sua colega de júri era a nora Áurea Catarina e o diretor do programa era seu filho Roberto Jorge.

    ResponderExcluir
  8. eu amo.......venero gracinda ops gracinha freire.............linda............vendo dancin days , ela esta viva e intensa ................

    ResponderExcluir