Mamma Mia, Meryl!



Quem é que poderia imaginar a respeitadíssima Meryl Streep, uma atriz séria, ganhadora de dois Oscar, cantando hits do ABBA como The Winner Takes it All, Super Trouper e Dancing Queen? Não que o ABBA não mereça essa honra, mas o grupo que ficou famoso na década de 1970 por sua indumentária espalhafatosa, refrões alegres e sotaque sueco adquiriu, há duas décadas, uma reputação - para ser bem polido - de kitsh. Era uma espécie de "prazer proibido".

Isso até que, nos anos 90, diretores de cinema australianos resolveram usar a música do grupo nas trilhas sonoras de seus filmes, elevando o quarteto à categoria de cult absoluto, clássico da música pop. Teve início um dos maiores revivals da década, com lançamento de coletâneas, vendas abundantes e uma série de homenagens.

Na verdade, a "volta" do ABBA é algo que vem acontecendo há mais de dez anos e só cresce. Nem Madonna, sempre no topo das paradas, ficou de fora. Tratou de lançar, em 2005, Hung Up, utilizando a melodia de uma popular canção do quarteto, Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight). O sucesso foi imediato. E ainda tem mais: ano que vem será inaugurado em Estocolmo, capital sueca, um moderníssimo museu inteiramente dedicado à banda, com direito a semana comemorativa e tudo mais.

Mas um dos maiores tributos ao grupo é o musical Mamma Mia!, espetáculo em cartaz ininterruptamente desde 1999 em Londres e em vários outros países mundo afora. Como se não bastasse, o musical ganhou agora uma versão para o cinema, dirigida pela mesma diretora da peça original, Phyllida Lloyd. Trata-se de uma comédia romântica construída a partir de várias canções do ABBA. Nada a ver com a história pessoal do grupo. Apenas as canções, depois de costuradas, formaram uma história. Produzido por Tom Hanks, o longa conta a história de Donna, vivida por... Meryl Streep. Ela é uma mãe que nunca soube a real identidade do pai de sua filha Sophie (Amanda Seyfried). A situação muda quando a garota resolve se casar e convidar três homens que podem ser seu verdadeiro pai: Bill (Stellan Skarsgård), Harry (Colin Firth, de O Diário de Bridget Jones) e Sam (o ex-007 Pierce Brosnan). Enquanto Donna se confronta com seu passado, a filha nutre a esperança de descobrir finalmente qual dos três é seu verdadeiro pai. Recheada com as canções do ABBA, a história dá margem a várias situações divertidas. Mais de 30 milhões de pessoas já assistiram ao musical no teatro e espera-se que o filme faça o mesmo sucesso com base na premissa de celebrar a alegria, a diversão e a satisfação do público. A estréia no Brasil tem data marcada para 15 de agosto.